quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

sábado, 25 de fevereiro de 2012

O sítio mais solitário do mundo - Post repetido, eu sei, mas hoje escrevia-o outra vez

Centenas cruzam-se por lá, uns apressados outros numa espera que se torna longa. Palco de lágrimas de despedida, abraços fortes. Palco de correrias para os braços de quem volta. Aeroportos. Criei uma aversão a aeroportos.
Passo lá muitos dias. Uns dias à espera de ver alguém partir, outros à espera de quem chega, na sua maioria estranhos para mim. Muitos de vocês não se apercebem da profundidade das despedidas, de quem não conhecem, juntos às partidas, até porque vocês mesmos estão de partida e com pressa. Eu passo lá horas, sem partir. Conto as famílias que se separam, os namorados que vão "morrer" de saudades. Vejo as lágrimas das mães dos filhos que vão para longe e ouço as juras de amor eterno dos amantes. Apercebo-me da profundidade das relações entre pessoas que me são estranhas.
Nas chegadas vejo as correrias. Os sorrisos assim que se avista quem os espera. As crianças no sentido contrário a quem chega para alcançarem os braços dos pais. Os namorados com flores, as namoradas saudosas. Os abraços, os beijos. O saltar para o colo. E os abraços outra vez, e mais beijos. E as silhuetas lado a lado, unidas pelas mãos, a abandonarem o que para mim é o lugar mais solitário do mundo.
Não sei quantas vezes já viajei. Já foram bastantes. Poucas comparadas às horas que passo em aeroportos a ver os outros irem e virem. Mas sei que mergulho por momentos na solidão. Eu e os aeroportos. Talvez esta aversão tenha a ver com o facto de nunca ninguém se ter ido despedir de mim ao aeroporto, ou sequer levar-me. Ou porque nunca ninguém me esperou à chegada. Nunca tive as despedidas, nem as juras de amor eterno, nem ninguém a "morrer" de saudades, ou uma mãe saudosa antes de eu partir. E nunca à chegada correrias, nem um colo para onde saltar, nem flores, nem saudades, nem abraços. Nunca ninguém à espera. Eu e os aeroportos. O lugar mais solitário do mundo. Aeroportos. É a minha silhueta sozinha a abandonar o palco dos abraços e beijos e correrias dos outros.
Eu e a minha bagagem a caminho do táxi de cabeça baixa. Ao longe, na minha mente, o som de violinos tristes, como nos filmes. A miúda que nunca tem ninguém à espera. A de quem ninguém tem saudades, daquelas que não podem esperar por não fazerem "morrer" ninguém. A minha silhueta unida à da bagagem, e os olhos no chão para não ver os abraços e beijos dos outros. Para não contar os casais e nem as famílias. Nem as correrias, nem as crianças. Eu e os aeroportos. O sítio mais solitário do mundo.

E até porque acabei de vir da exposição na Gulbenkian, faz-me todo o sentido.


"O valor das coisas não está no tempo em que elas duram, mas na intensidade com que acontecem.
Por isso existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis."
Fernando Pessoa

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Esta é uma das que me canta uma parte da vida.

E adorei este filme, adoro a música e hoje estou a ouvi-la em repeat. Pronto.

Em modo ...

Dormi três horas. A neura passa depois de quantos cafés?

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Recado ao senhor cardeal Manuel Monteiro de Castro

É por causa de gentalha como você que eu deixei de fazer parte da empresa igreja. É preciso ter muita lata e muita falta de consciência para dizer tanta barbaridade junta. Já agora, eu também creio que seria mais humano não deixar pessoas morrerem à fome do que engordar a "empresa" mais rica, e cínica, do mundo. Vergonha.

Esta vai para os meus amores

Tudo a votar, vá...

A Poison d'Amour nomeada para os Awards 2011 de 'The Building of the Year'. Vá, tudo a votar AQUI.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Descubra a diferença...

"(...)...mas eu amo-te!"

"Eu amo-te mas (...)"

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

And then we found love in a hopeless place # 3

Apesar de não ser fã do dia dos namorados, mas por achar que devemos, todos os dias, dizer a quem amamos o que sentimos, esta mensagem é para ti, namorado.
Agora prometes não me oferecer um peluche nem me arrastar para um restaurante cheio de casalinhos que estão ali porque sim, porque é dia 14 de fevereiro, casalinhos que não vão chegar à sobremesa, que vão discutir, e que no fim vão separados para casa? Ou casalinhos que vão passar a noite de boca colada, com a comida A arrefecer e a tirarem-me o apetite? Prometes?

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Vocês são os melhores do mundo - Fotos do fds (obrigada pelas sugestões)








Devia ser isto, o Amor

E devia ser isto o amor, não largar a mão da outra pessoa.
E agora que já dei o meu ar de "fófinha" posso confessar que o dia dos namorados não me aquece nem me arrefece? Não deviam ser preciso datas para marcas as coisas importantes.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Recarregar baterias, outra vez, para acabar as férias em bom.

Marvão. Frio. Hotel com lareira. Namorado.
Pessoas fixes da blogosfera, contem-me tudo. Onde devemos ir? Onde se com bem? E para beber um copo? O que não podemos deixar de visitar? Hum? Ajudem este casal destrambelhado...

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Por parte incerta

Não deixem de espreitar a maravilhosa exposição da minha queridíssima amiga/colega Sara Wong. São o melhor de 10 anos de viagens onde conjugou a descoberta do mundo, com a aventura, e a beleza das pequenas grandes coisas. Tudo isto de mãos dadas com o Amor.
Para além de ser uma grande fotógrafa, a Sara é um ser humano fantástico, de sorriso fácil e coração quente. Destemida e calorosa, e isso transparece para as fotografias que tira e que agora partilha.

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Desperdício

Desperdício é o que sobra. Não nos faz falta. Desperdício são as coisas que não precisamos. Desperdício são as tiras de pano atiradas para o canto de uma oficina no fim de um dia de trabalho. Desperdício usamos para limpar as mãos. Desperdício é o tempo em que não fazemos nada. Desperdício é o tempo que nos sobrou. Desperdício é o que sobra.
E quantas vezes já foste desperdiçada? Quantas vezes já te disseram que sobras? Que vens no fim da lista. Que no tempo que sobrou de coisas importantes ainda ficas abaixo de tantos outros desperdícios? Que no fim, contas feitas, o que investes e dás, sobram? Que afinal, foste desperdício desde o início? A atenção, a preocupação e o teu carinho sobram. E quando o teu amor é desperdício? Que fazes?

sábado, 4 de fevereiro de 2012

Recarregar baterias

A semana de férias começa com uma ida à terrinha, recarregar baterias. Livros e DVD's na mala. Amigos à espera, e minis no fresco. Pelo meio vou a um bailarico. E lareira, muitas horas à lareira, com o gato ao colo que naquela zona o frio é cruel. E futebol, e passeios de bicicleta. Deve ser mais ou menos isto. E parece-me perfeito. O pc? Esse fica em Lisboa.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Quando eles escrevem assim # 4

O Ego já me conquistou há muito tempo, não me surpreende na forma como vê as coisas, como as observa, e como faz com que se cruzem e enrolem umas nas outras. Mas há textos, esses nada simplistas em que os pormenores pouco interessam, em que me obriga a ler de novo. E a gabá-lo. Adorei este texto.

Confere