quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Ficou tarde e eu sempre tive medo do escuro.





Ficou tarde. Entardecemos. Não contaste as horas. Sempre assim foste, não olhas para o relógio. Não te interessa o fim de nada, nem da luz do dia - nem gostas que te aqueça a cara, que coisa impensável para quem não se distrai do seu umbigo. Mas achas que tens tempo, sem te perguntares quando tempo ele dura. Entardecemos. Tenho saudades do sol. Ficou tarde e eu sempre tive medo do escuro.

Naquele momento pensei: sim, o amor esgota-se.


quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Se ainda cá estivesses...

 Acho que a tua morte me fez ficar dividida entre o acreditar ou o render-me que o resto será sempre medíocre. Não devias ter partido e deixares-me cá. Deixaste-me cá entre pessoas na maioria mais mortas por dentro do que tu que afinal morreste mesmo.

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Nesta manhã em que te levámos a enterrar...

...chovia sem descanso. Chovia revolta. Chovia copiosamente. O céu juntou-se ao derrame de lágrimas que nos causou a tua despedida. Partiste demasiado cedo. Sabes, todos escrevemos uma pequena mensagem, em local mais adequado. Todos, os que contigo dividiam a redacção, a certa altura escreveram "mau feitio" e "refilona". Mas com amor. Queria muitos mais anos para que refilasses comigo. Até já, Lurdes.

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Começo a ficar aborrecida...

...com isto dos blogues. Somos todos Ronaldo e Charlie e a Pipoca Mais Doce que afinal parece que anda a plagiar esta miuda e não na cena ligeira de blogues mas num artigo da Tabu e ando aqui arreliada que há muito que não retiro grande prazer disto da blogoesfera onde já fui tão feliz.
Valha-nos a Alexandra que voltou.
E para não desistir já, vocês que passam por na blogo mais tempo que eu: quais os blogues mais fixes que andam por aí?
(por favor não me mandem para blogues de pseusomoda e cenas que tal)