segunda-feira, 28 de julho de 2014

Vou sempre ser pequena aos olhos dele...


O meu pai não me viu crescer todos os dias. O meu pai descobriu tarde que eu não brincava com bonecas, que gostava de berlindes e de jogar à bola, e que preferia as roupas do meu irmão às minhas com lacinhos e fitinhas e  flores e folhos pirosos que eu odiava. O meu pai nunca me leu histórias para me adormecer. Mas deu-me tanto mais que as rotinas vulgares. O meu pai ensinou-me a achar que os Creedence Clearwater Revival eram fixes, que a Unchained Melody dos The Righteous Brothers haveria de ser sempre a música mais romântica do mundo dele e partilhou comigo a sua paixão secreta pela Nancy Sinatra. Obrigou-me a aprender a dar passos largos para o conseguir acompanhar a pé até ao café (e na vida). Ensinou-me que a vida tem cores para lá do opaco. Repetiu-me mil vezes que não preciso de maquilhagem para ser bonita. Deu-me liberdade para eu ser quem quisesse ser e ensinou-me a maior e melhor das verdades: o tempo pode ser tanto um amigo como um carrasco. "Nunca voltarás a ser tão jovem e tão bonita como és hoje", disse-me num dia, o único, em que me viu chorar sem ser por ter um joelho esfolado. E a frase, sempre que o dia fica cinzento ou a noite se torna negra, ainda me dá consolo. Obrigada pai. 

6 comentários:

Saltos Altos Vermelhos disse...

:) ♥♥

Sónia RM disse...

:)

Anónimo disse...

Que falta me fez beber destas historias que não são minhas.
Realmente nunca niguem há-de ser melhor do que o é no momento, pode-se dizer que o presente é o auge constante.

bj deste teu atento visitante
CJPL

S* disse...

Mas que delícia!

Creedence Clearwater Revival é lindoooo!

S* disse...

Mas que delícia!

Creedence Clearwater Revival é lindoooo!

mundoameuspés disse...

Os Creedence, adoro! Influências dos papás. Um dia comprei um álbum deles, coletânea das melhores músicas para oferecer ao meu pai mas esse presente nunca chegou a ser entregue então agora delicio me a ouvir os cd's com tão boas músicas 😉❤