quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Queriam uma apresentadora de TV ou uma palhaça?

A Pipoca foi a um casting em que pediam boa imagem e experiência em comunicação social, para apresentadora de um programa de tv que será uma espécie de "magazine de actualidade". Quanto à primeira exigência, não me cabe a mim avaliar, mas na segunda estava confortável. Lá fui eu às 09:30 para o hotel Tivoli Descobertas, cheia de sono, um bocado nervosa, mas confiante de que tudo iria correr bem. Pois, não era nada daquilo que estava à espera que me fosse acontecer num casting para apresentadora de tv.
3 pessoas com ar de extreminadores implacáveis - "Olhe para a câmara e diga o seu nome e idade"
Eu - Pipoca e idade
Eles - "Diga-me um nome de uma estrela da música qualquer mundialmente famosa"
Eu - Madonna?!?
Eles - "Ok, esteve a entrevistar a Madonna e vai olhar para a câmara e fazer um resumo da entrevista, como muito sentido de humor. 5, 4, 3, 2, 1,
Eu - Improviso completo, a falar rápido demais e com a plena noção disso, mas sem conseguir abrandar, comecei para lá a dizer uns quantos disparates sobre a Madonna (de quem nem gosto). As frases saíam sem que as conseguisse ordenar e sem tempo para ter sequer bem a noção do que estava a dizer. Entre os muitos disparates, dei por mim a dizer frases como: "Madonna confessou ainda que o polémico beijo a Britney Spears não foi uma estratégia de marketing, foi mesmo o calor do momento". What? Eu disse um disparate destes? Sim, disse. Este um mais uns quantos que tento nem me lembrar.
Esgotados os disparates sobre a Diva da POP, os três exterminadores implacáveis tinham uma "surpresa" para mim. Para ver a minha "capacidade de improviso", como se a cena anterior não o fosse já, disseram-me: "Imagine que está a fazer a cobertura da ModaLisboa e encontra a Michelle Obama. Simule uma entrevista. 5, 4, 3, 2, 1,
Pipoca: "Estamos em directo do Parque da Cidadela, em Cascais, no primeiro dia da 21ª edição da ModaLisboa que está a ser marcado pela surpresa da presença de Michelle Obama, acabada de chegar à Casa Branca. Michelle, o que está a achar dos desfiles, quais as criações que gostou mais até ao momento?"
SILÊNCIO
Ninguém respondia. Nem os três exterminadores implacáveis, nem o operador de câmara (o único com ar de simpático)
E eu fiquei ali...a ver o que me diziam. É que se era para simular uma entrevista, alguém podia fingir de Michelle não?
Continuei então a fazer perguntas à "Michelle" e a dar tempo para uma fingida resposta dela, a fazer expressões com a cara e a rezar para sair dali rápido.
Rematei o suposto directo com uma lamentável frase ("Michelle conhece as propostas de moda portuguesas, gosta particularmente da colecção de José António Tenente e a coqueluche do seu guarda-roupa são umas botas Ana Salazar". Mais uma vez, WHAT? A senhora nunca calçaria umas botas Ana Salazar e mais uma vez, a Pipoca só disse disparates.
Eles continuaram com cara de maus e eu perguntei se me podia ir embora.
Abandonei o hotel a toda a velocidade e ainda agora me pergunto: O casting era para apresentadora de um programa de tv ou para palhaça?
Não me voltam a apanhar a falar com amigos imaginários, não apanham messsmmmoooo!

12 comentários:

Viajantis disse...

hihihihihihi......estou a imaginar!!!

Kami disse...

Mesmo com todos esses precalços, eu diria que o casting até pode ter corrido bem. Quem sabe os 3 exterminadores implacáveis não acharam graça à tua capacidade de improvisação! Boa sorte!...ahh e tens um desafio no meu blog

Saltos Altos Vermelhos disse...

ahaahaha realmente temos de fazer cada figurinha em entrevistas para empregos! Que cena!

Nomyia disse...

LOL. Acho que recebi uma proposta para fazer esse exacto casting. Ainda bem que não me chamaram. Eu cá não lido bem com (não é a improvisação), gente parva à minha frente.
O nosso mal é ter muita personalidade. Para essas coisas eles só querem meninas bonitas tipo rôbots!Burrinhas portanto. Not my style!
*****

Marisa disse...

Nunca fui a um casting, mas acho que o mínimo era terem-te dito para preparares algo antes de ires, ou darem-te uma folha com essas perguntas e cinco minutos para pensares em alguma coisa.

P. disse...

vai-se a ver, no meio dos "disparates" que achas que disseste, eles até gostaram das coisas que inventaste!

é ver :)

Pipoca disse...

A dificuldade não era fazer as perguntas Marisa,faço isso todos os dias. O problema foi ninguém reposnder do outro lado e não ter forma de pegar na resposta para fazer uma pergunta seguinte com lógica...e ter que estar a figir que alguém repondia...enfim...experiência a não repetir

Um gajo qualquer... disse...

Não me consigo ver numa situação dessas... não consigo mesmo.
Pergunto-me quase sempre o que é que procuram. Mas olhando para as tristezas que vejo na TV a resposta é cada vez mais clara... :P

Sanxeri disse...

A capacidade de improviso é fundamental, mas há situaçoes completamente despropositadas e absurdas. :P

Saskia disse...

Se calhar nunca tiveste um amigo imaginário quando eras pequena, agora olha :P

Beijinho

Poupinhas disse...

Hum, será que ainda vou a tempo para o casting?? Como sabes dessas coisas, de castings??
Podes responder no meu blog se quiseres e puderes:)
Um beijinho*

@me@@@ disse...

he he... o que me ri agora, mas adivinho o quanto foi dificil para ti, desde já os meus parabêns, nem acho que te sais-te tão mal... acho que eu tinha engasgado!!!


:-)