sábado, 23 de maio de 2009

"Com a boca na botija"

Ontem fui sair com amigas, com aquelas amigas com quem até podemos passar um mês sem falar, mas nos reencontros, pelas conversas, pelas gargalhadas fáceis, parece que estivemos juntas na noite anterior.
Depois de um jantar regado a sangria no Bairro Alto e de uma breve passagem numa festa “undergroud” muito atípica para mim, uma vez que acontecia no parque de estacionamento do Parque Eduardo VII, onde estava o quiduxo do Nuno Lopes a meter música a quem fomos dar um beijinho, fomos até ao Twins.
Sempre que se sai de casa, até porque Lisboa é mesmo um T0, sabemos que corremos o risco de encontrar pessoas conhecidas, o que me faz perguntar o que leva alguém a ir encornar a namorada para uma discoteca da moda.
Dei de caras com um amigo do meu ex. Não um daqueles amigos do peito, mas uma pessoas que por afinidade lhe é próxima. Reparei que estava com uma gaja que não era a suposta, mas não dei muita importância. Como já escrevi acima, o jantar tinha sido regado. Pensei… ‘bem, esta gaja deve estar no grupo e estão aqui sozinhos porque é a área de fumo, ou vieram ao bar’. Não teria dado a importância que agora me leva a escrever este post, se quando ele me veio cumprimentar a gaja (oficiosa) não me tivesse mandado umas trombas do caraças. Olhou-me de alto a baixo, com uma expressão que em palavras seria “Sim, ele está comigo e sou possessiva (mesmo com o que não é meu) e não quero que se aproximem”. Não fui indelicada, não fiz perguntas. Até porque podia perguntar como estão a mulher e o filho bebé, mas não, nada perguntei, até porque percebi logo o que se estava a passar.
Sem qualquer tipo de pudor, o parvalhão traidor, em vez de ir para uma zona da discoteca mais recatada, para o outro lado da pista, em vez de tentar disfarçar ficou ali o tempo todo. “Perdido por cem perdido por mil”? Não, foi a curiosidade que o moveu. Parece que a minha vida continua a ser alvo de muita curiosidade e o facto de eu estar na discoteca com amigas giras e na conversa com pessoas daquelas que aparecem na televisão, ou famosas por saberem jogar à bola, foi motivo suficiente para o palerma que estava a trair a mulher ficasse ali, a tentar perceber conversas e a sorrir de vez em quando na nossa direcção.
Foi a curiosidade e excesso de confiança. Deve ter pensado qualquer coisa como: “Eles acabaram nem se devem falar logo ela não lhe vai contar que me apanhou com a boca na botija”. “Estou à vontadinha, ela conhece muito bem a minha mulher mas se a encontrar no shopping não lhe vai dizer que me apanhou a encorná-la”. Pode estar errado, pode muito bem estar errado.
Para rematar a parvoíce desmesurada que já tinha provado naquele par de horas, o senhor, ao ir embora com a “amante”, provavelmente consumar mais uma queca “proibida”, fez questão de ao passar por mim provocar contacto físico. Não, ele não me pôs a mão nas costas, nem no ombro, que são os locais casuais onde tocamos as pessoas quando as cumprimentamos. Passou-me a mão na barriga, surpreendendo-me por sentir a mão dele directamente na minha pele junto ao umbigo. Para quê, porquê? Pois, pergunto o mesmo. Achou que provocando alguma intimidade eu acharia que ele era um querido e que simpatizava muito comigo o que me impediria de o achar um grande cabrão? De não contar a ninguém o seu "segredo"? Pensou que uma vez que eu já não estou com o amigo dele não teria mal passar-me a “mão no pêlo”? Quando mais conheço os homens mais gosto de cães. Esses são sempre fiéis…

31 comentários:

marta disse...

devia mandar esta história para o HTP - tudopalhaco.blogspot.com.

Marisa disse...

Whaaaaaaaaaat?! Nem quero imaginar o constrangimento quando o encontrares com a mulher! Que horror, que situação...

Alexandra disse...

Realmente há homens que as vezes são mesmo.. epá.. porcos!
Livra! Devia ter vergonha. Tss

Sanxeri disse...

Grandessissimo idiota.

Faz pela tua AMIGA o que gostarias que fizessem por ti.

P. disse...

primeiro que tudo, essas festas underground acho que são um must e estão na minha lista de coisas a fazer quando regressar a lisboa!

em segundo lugar, enfim, não há grandes comentários para comportamentos deficientes como esse.

terceiro, o que mais me ficou na cabeça depois de ler isto, foi a parte... de ele por a mão na tua barriga! tipo... ewwww! eu odeio, mas ODEIO que certas e determinadas me toquem! muito menos na barriga. e muito menos pessoas que vá... coiso. ai que nojo!

erase pelo menos essa parte!

*

Anónimo disse...

Concordo!
Principalmente com a última frase!
;)

Maria Papoila disse...

Isso é mau demais... As pessoas andam todas loucas. Vivem em pequenas esferas de egoísmo onde fazem as suas patifarias, julgando que ninguém os apanha... De qualquer forma, mesmo que sejam apanhados nas mais diveras falhas de caracter vivemos na era da impunidade. Ninguém se rela. Dois ou três minutos de indignação e depois passa, porque a reagir dá muito trabalho.

Pipoca disse...

Sim foi mau...a rapariga nem é minha amiga, mas como mulher fiquei indignada

Pedro Almeida disse...

E se ela reagir mal quando lhe contares? Optar por uma de negação... Ou for mesmo agressiva contigo?
É sempre complicado, eu prefiro nunca me meter nessas situações.

Beijo.

Anónimo disse...

Muito bom... só contigo mesmo! És um poço de históricas!
Vanessa

Patrícia disse...

Gajo nojento, é um facto...
Mas ficou por contar a parte mais gira da noite. Sem nomes, obviamente... lol

Pipoca disse...

Patricia, a parte mais gira da noite, essa, é coisinha para um post. Ainda nem acredito que aquilo aconteceu mesmo. Beijos

Catwoman disse...

Não me admira o comportamento. Até parece que está na moda.

Anónimo disse...

Olá,infelizmente situações destas são muito comuns. Recentemente soube de dois casos, um envolvia aqui a dita cuja. E pasmem-se, nada fiz, espero melhor oportunidade. A vingança, sempre ouvi dizer, é um prato que se serve frio. Não será vingança o termo apropriado mas que vou chatear, incomodar, ai isso vou. Preciso de reflectir ainda...
Entretanto finjo acreditar que estou piamente convencida de tudo quanto o outro me conta... Ingenuidades, é o que ele acha!

Intruso disse...

ainda querias tu que fosse com vocês... Mas como ias bem acompanhada por mulherio jeitoso, ficavas bem entregue.

Ó Pipoca, essa última frase é um bocado.... Devias evitar generalizações (se bem que ultimamente tb ando nisso)

O teu problema é que és demasiado simpática. Os cães pensam sempre que uma mulher sorridente é uma mulher que lhes está a dar trela.

Eu é mais gatos...

Feiticeira disse...

Também conheço desses. A forma mais fácil é deixar escapar de forma inocente que o viste com outra. (que tiveste pena de nao a ver no twins - claro que ela la devia estar - que o viste a ele com amiga) Axo que se contas a tua impressão o mais provavel é que nao acredite ou se sim, se sinta humilhada. Uma mulher se desconfia, descobre!

mau feitio disse...

ate metem nojo. acredita que me mete nojo. eu começo a adorar os animais...

Joaninha disse...

Há homens mesmo nojentos...era escusado, mostrar-se e ainda se fazer a ti? Foi uma forma de te dizer «não contes nada» que a próxima, se quiseres, podes ser tu!
Vómito...

Kami disse...

São todos iguais, realmente... E isso de no fim ainda ter a lata de te tocar na barriga. Nem sei como é que te conseguiste controlar...
Fiquei curiosa é com a parte mais gira da noite! Conta! Conta!

A Gata Christie disse...

Bem, o que há mais por aí são histórias dessas... Eu vivi uma semelhante, mas com a diferença que ele fez questão de não se aproximar e de eu, como sou extremamente pitosga e a oficiosa ser muito parecida com a oficial, ter achado que a fulana era a mulher dele.
Conclusão: quando nos encontrámos lamentei o facto de não se terem aproximado de nós (eu estava com o meu namorado) naquela noite que nos vimos em tal parte... Escusado será dizer que ele ficou bastante atrapalhado e a mulher muito desconfiada. O meu namorado, ainda hoje, acha que fiz de propósito.
Já uma gata não pode ser míope! ;)

pfa disse...

Não seremos todos iguais certamente. Este senhor tem uma certa mentalidade que ainda por ai se encontra. Mas há, aliás sempre houve, homens com outro sentido de vida. Muitas vezes passam-vos despercebidos...

disse...

vale a pena enctrar explicaçoes?
o caracter de cada um de nós revela-se nas atitudes... as palavras não sao mais q isso, sons... e por vezes estão tao bem ensaiados e ...decorados! as atitudes despem-nos... até ao dia.. parece me q esse "homenzinho" já teve o seu "dia"... :)
beijãooo menina pipoca!

Saltos Altos Vermelhos disse...

Ai f*****! Só por essa, eu virava uma boca de lavagem e fazia a mulher saber! Que lata!

disse...

Que horror. E que situação a tua. Pelo menos divertiste-te com as tuas amigas - esquece o resto!

Tana disse...

pfff...mais um cabraozinho...


beijos querida*

B disse...

...mas sabes que até os cães por vezes atacam os donos ...não sabes?!!

RUBEN E ANA disse...

Idiota!!

--

Já agora aproveito para deixar:

Informação Buba_Lopinhas: Resolvemos criar o nosso próprio selo, não com o intuito de fazer uma corrente como o selo “O teu blog merece ser filmado” mas como marca de que somos frequentadores do teu blog. Podes ver no nosso blog, gostávamos de ter o nosso selo no teu blog, copia e adiciona!
Beijinhos *

--------
http://bubalopinhascasamento.blogspot.com/

Mister Peter disse...

Sou homem e nunca fiz nada assim, nem me imagino a fazê-lo.

Também já vi mulheres a fazer o mesmo. Hoje em dia a diferença de comportamentos entre os sexos, a este nível, está completamente esbatida. Talvez as mulheres sejam mais discretas e o façam pela calada.

Quanto ao gajo que viste, certamente a gaja sabe que ele é casado (e sabe-se lá a situação dela). Por isso, não somos só nós homens que somos porcos.

Jane Doe disse...

Posso ser ingénua... mas acho que se ele está num sitio público, se calhar é porque já não está com a mulher.... Custa-me acreditar que seja puro levianismo....

Debbie disse...

Isso fez-me lembrar uma história que se passou comigo. Estava atrasadíssima para um compromisso importante e a borbulhar de stress. Dirigi-me ao banco e disse "olhe, acho que me enganei no código e a máquina comeu-me o cartão". Diz-me o homenzito com ar meio-de-parvo-meio-de-gozo: "Ai é, estava com fome, era?".
Como não havia nenhum objecto pesado ali à volta, fui obrigada a respirar fundo e a contar até 10.

Debbie disse...

Ai Pipoca, uma pessoa põe-se a ler os blog "de madrugada" e sai asneira na certa.
O meu comentário era, obviamente, para o post seguinte (o da história dos cartões do Multibanco).
Não sei como é que consegui fazer uma coisa destas... só sei é que tenho de ver se passo a deitar-me mais cedo.