terça-feira, 28 de maio de 2013

O maior pontapé que podes levar na vida.

Não é não saberes como vais pagar a casa este mês nem sequer não fazeres ideia de como vai ser o amanhã. Não é tentares desenhar em esquiços um futuro que te foge a cada passo que dás em frente, quer corras quer vás devagar. Não é teres a responsabilidade de toda a tua vida nas costas sem margem para erro. Não é a impotência de não poderes controlar o tempo. Não é não te lembrares a que sabe um beijo ou nem querer chegares a casa e teres que lidar com o peso do silêncio. Não é, ouve o que te digo, ou lê o que te escrevo: o maior pontapé que podes levar da própria vida, não é teres que engolir que foste fraco. Que não lutaste o que podias. Que não deste tudo, que falhaste, que tentaste, porque pelo menos tentaste. Não é que escolheste um ou outro caminho e que muitas vezes podes ter ido pelo mais fácil ou pelo mais errado. Não é que que escondeste ou que te deste cedo demais. Não é ouvir que não és amada por quem amas. Não é teres que começar sempre tudo de novo. Não é teres que fazer sozinha o que uma família devia ter feito contigo. Não é teres que aprender a perdoar a quem te fez o imperdoável. Não é teres que te reconstruir  a cada vez que a vida te atira ao chão. Não é teres que te esquecer da tua infância miserável e aprenderes a admirar as gargalhadas das outras crianças. Não é roubarem-te uma vida na qual apostaste tudo. Não é sequer teres que aprender a lidar com uma traição. Atenta: o maior pontapé que podes levar na vida vai-te directo ao coração. É um coice nas entranhas. O maior pontapé que podes levar na vida é quando te dizem que apesar de tudo, e o tudo deixou-te vazia de tudo o que tinhas para dar sem reservas, que apesar de tudo não bastas. Que tudo o que és não basta. Que tudo o que és e que faz de ti uma pessoa única, porque todos somos únicos pelo que somos por dentro, não é o que é preciso para fazer a pessoa que mais amas no mundo amar-te na mesma medida. É este coice no coração, este esventrar de entranhas, que é o maior pontapé que podes levar na vida.

28 comentários:

melisand disse...

:(

Beijinho de força!

So_risoIncógnito disse...

Mesmo! :(

Catarine Martins disse...

É verdade. A parte boa, se é que há alguma, é que o tempo ajuda a curar. Cliché, bem sei, mas verdadeiro.
Força. :)
www.letirose.com

Anónimo disse...

Mas quem dá coices desses é uma grande mula e não merece o bater de nenhum coração

Andreia Barbosa disse...

Consigo entender tudo o que escreveste aqui... Hoje sim consigo, na devida altura não conseguia entender, mas como já te disseram antes, foi com o tempo que entendi realmente!

Nunca te tinha comentado, embora te leia há muito, hoje tomei a liberdade pois este texto poderia ser meu...

Pinipóne disse...

E não esqueces nunca, pode aligeirar, pode minimizar, mas de cada vez que te vier à memória o "és especial mas não tão especial que me faça continuar" a melancolia volta a bater e acabas sempre por questionar o quão especial és. .. e és!

medusa disse...

porra! como se pode assim acabar com a vida de uma pessoa e rasgar-se assim um coração?! Espero que fiques bem, que te ergas ainda mais forte...beijinho*

Mary disse...

Quem merece um grande coice no meio da testa é o animal que te disse isso! Quem não basta é ele, que nem aos calcanhares te chega.

Gelatina de morango disse...

Been there... e hoje, quatro anos depois, estou mil vezes mais feliz, com alguém para quem eu sou muito mais do que "suficiente" para fazê-lo plenamente feliz (pelos menos até agora...sim, porque não deixa de ser uma situação que deixa um certo trauma).

Anónimo disse...

Facilita se o texto for lido sem a palavra NÃO.

Anónimo disse...

Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes, mas não esqueço de que minha vida é a maior empresa do mundo. E que posso evitar que ela vá à falência.
Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver, apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise.
Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar autor da própria história.
É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oásis no recôndito da sua alma.
É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida.
Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos. É saber falar de si mesmo. É ter coragem para ouvir um “não”. É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta.

(Dez leis para ser feliz, Editora Sextante, 2003)
CJPL

S* disse...

O coração pode sarar, mas nunca volta ao que era.

Nadinha de Importante disse...

Muitos beijos de força!

EU SOU EU disse...

Não sei se é a tua situação actual ou não...ou se é apenas um texto que escreveste pelo passado, pela vida... seja como for... seja como for gostei do texto mas não da situação... Mas pelo que percebo deste tudo o que tens dentro de ti pela pessoa que mais amas, isso é o que se pede, amar sem limitações, só que infelizmente o AMOR é assim, nem sempre é feliz, nem sempre dar-mos tudo o que somos ao outro, faz com que o outro nos ame em igual intensidade... Mas o importante é amar, se é que ainda não encontraste, tenho a certeza que um dia vais ter ao teu lado uma pessoa que também ela te vai dar tudo o que é e tu a ela... e será então amor puro...

homem sem blogue disse...

Tens muita razão!

homem sem blogue
homemsemblogue.blogspot.pt

hierra disse...

É que é mesmo, é o pior de tudo!

Anónimo disse...

Um dia vais olhar para tudo isso e ainda vais rir-te do desgraçado que te perdeu! Acredita!

Estrelinha disse...

já passei pelo mesmo! Achei que ia morrer. Que nunca mais amaria ninguém.
Hoje sou MUITO mais feliz!
Tu vais encontrar a TUA pessoa. E vão ser felizes como mereces!
Força!

Anónimo disse...

ÉE sei...Como eu sei o quanto doi!
O pior foi eu ter que aprender a viver com essa dôr para sempre!

Um beijinho
AP

Coquinhas disse...

Por trás de um pontapé, aparece sempre uma excelente pomada que lhe vai tirar a dor e a negridão que deixa. Força, muita. Beijinho

Anónimo disse...

olá! nunca comentei o te blogue apesar de vir ca algumas vezes mas depois desta texto, tenho a certeza que virei todos os dias ... está tao bom que te toca no coração... nesta altura talvez seja difícil para ti veres as coisas... mas acredita que todo que tu és será muito para outros e mais para O TAL :)... envio-te good vibes :) bejinhos Joana A. braga

Sofia disse...

Oh que caralho, foda-se... bela merda. Tocou-me o coração. Dá vontade de chamar filho da puta a quem não (nos) aproveita quando (nos) tem. De perguntar "mas 'tás parvo?". Hum, tenho esperança que tenhas escrito isto porque sim, porque te saiu e porque tens jeito, e não porque levaste um desses coices que parecem rasgar-nos para sempre.
(e com isto deixo aqui quase todas as asneiras que conheço, ou pelo menos as minhas preferidas)

Sairaf disse...

Abraço doce e repleto de muita força!!!!

Anónimo disse...

è sentir toda a dor do mundo dentro de nós e perguntar onde está o alivio que o tempo supostamente traz.;(

Tolan disse...

O que somos não é uma coisa imutável. No contexto do amor não correspondido há a tendência para sermos uma versão sôfrega e resumida de nós próprios, a começar porque nos colocamos à mercê da vontade do outro, o que constitui uma traição a nós próprios. O juízo do outro nunca define o que basta ou não basta, se chegamos ou não chegamos, se somos ou não somos... Desde que se seja honesto e justo, não temos contas a prestar. Somos superiores a qualquer juízo de outro, livres e infinitos. Se tivermos a capacidade de reconhecer que a imagem que temos de nós próprios e do outro é uma enorme ilusão no contexto do amor e sobretudo no contexto da paixão e ainda mais do ciúme em que tudo é distorcido ao limite, então fica só algo prático e concreto que é a falta que o outro nos pode fazer, o buraco que fica na vida e que é real e que é o que fica, porque não há 2 pessoas iguais. Mas isso também fica do outro lado e bem real. E de que maneira, é de facto uma experiência terrível. No entanto, também estamos livres outra vez. Livres para gostar de nós e de outras pessoas e acontecem coisas novas muito boas que nunca aconteceriam de outra forma. Tudo tem uma razão de ser!

Tolan disse...

só para acrescentar que não considero que o tempo tenha grande importância. O que é infalível é conhecer uma pessoa mesmo mais espectacular. Claro que pode haver alguma tentativa erro nisso :) mas a maior surpresa é perceber que nos podemos apaixonar outra vez e com ainda mais força, como se tivéssemos 13 ou 14 anos outra vez... e tudo ser melhor :)

MC disse...

A verdade é que se o Tempo cura-se tudo, vendia-se na farmácia.

O que cura tudo, muitas vezes é um valente sacudir de ombros e gritar bem alto "olha, bosta para isto!", rasgar as sombras e partir a porta para seguir em frente.

E que os coices que leves te empurrem sempre para a frente! E se não for para frente, é porque secalhar precisas de voltar atrás e encontrar-te.

O Sexo e a Idade disse...

Uma vez um amigo, vendo-me assim como te li, disse-me que o maior amor é sempre aquele que vem a seguir; cega de dor não acreditei, mas agora sei que é verdade.
Não vale a pena sofrer por quem não nos merece.