quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Ficou tarde e eu sempre tive medo do escuro.





Ficou tarde. Entardecemos. Não contaste as horas. Sempre assim foste, não olhas para o relógio. Não te interessa o fim de nada, nem da luz do dia - nem gostas que te aqueça a cara, que coisa impensável para quem não se distrai do seu umbigo. Mas achas que tens tempo, sem te perguntares quando tempo ele dura. Entardecemos. Tenho saudades do sol. Ficou tarde e eu sempre tive medo do escuro.

7 comentários:

Lia Noronha disse...

maravilhoso conto..parabéns pelo seu espaço!! Vou te seguir.abra

Abraços meus

Pipoca Arrumadinha disse...

A luz será mais bonita pois traz alegria!

Vânia Martins disse...

Também gosto mais da luz...

Margarida disse...

Gosto bastante do teu Blog. Há algo naquilo que escreves... talvez vivência, algo que ainda me falta um pouco, ainda assim, gosto de seguir o teu Blog.

http://the-blog-ofmylife.blogspot.pt/

Anónimo disse...

Realmente é uma delicia ler o que escreves, tentar dissecar cada virgula, mesmo que não exista nada para decifrar... acabo por me identificar com o texto, aliás com a maioria deles.
Sinto nostalogia, a minha nostalogia sem imaginar de onde vem a ideia, mas é mesmo essa a ideia, o autor não importa, importa sim a identidade da sua escrita que é onde reside a magia.
Proponho um texto só com um ponto de interrogação.

Escreve mais
Cjpl

sempremaismulher disse...

Bonitas palavras :)

http://adorosercomosou.blogspot.pt

siceramente disse...

Adorei este post, estou a sentir-me um bicho parecido.