terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Par ou Ímpar?

É oficial, a febre do Dia dos Namorados já atacou todos os que têm o coração quentinho. Todas as montras estão decoradas com corações e ursinhos e os enamorados acordaram para os beijos fogosos na rua, as mãos dadas com convicção - ainda que que tudo esfrie dia 15 de Fev.
Ontem estava levada da breca, naqueles dias em que não me sentia propriamente feliz, nem com o coração quentinho. Uma amiga, que começou muito recentemente uma relação, ou seja, anda naquela fase em que tudo é bonito, perfeito e muito cor-de-rosa, perguntava-me: "Pipoca, achas que compre alguma coisa para ele?". "Pipoca, achas que marque qualquer coisa com ele no sábado?" Sei lá, dizia-lhe eu enquanto me lembrava que em muitos anos, este seria o primeiro em que estaria sozinha.
Enquanto ela ia falando do seu OD (objecto de distracção) eu ia-me lembrando de um texto que uma querida amiga tinha escrito, há uns anos, sobre o dia de S Valentim. Uma crónica para uma revista feminina. Mesmo com namorado na altura, achei a crónica brilhante, e agora, sem ninguém a quem dar um beijo fogoso ou compar um presente, subscrevo as paravras dela:

Par ou Ímpar?

Viver sozinha num mundo inventado para ser vivido a dois significa ficar de fora em muitas circunstâncias. O ímpar sobra, o par ganha um novo sentido...

À custa de umas quantas cabeçadas percebi que não preciso que um homem me diga se sou feia ou bonita, vulgar ou especial. Posso percebê-lo sozinha... Da mesma forma, passo muito bem sem os ursinhos de pelucia a segurar corações, sem os postais com cupidos coradinhos, sem os tradicionais jantares à luz de velas e sem bombons - menos calorias, tanto melhor... Mas a verdade é que adorava viver em pleno o Dia de São Valentim, com todas as lamechices e piroseiras que isso implica. Aqui me confesso tão romântico-pindérica quanto todas as outras.
Que me lembre, só tive uma surpresa num dia dos namorados (já nem sei de que ano, mas certamente no século passado), por isso, este é só mais um em que fico a ver navios, neste mundo onde as coisas só fazem sentido aos pares.
As mesas mais pequenas de qualquer restaurante estão postas para dois. Os bancos da roda gigante de qualquer feira são para dois. Os automóveis, no mínimo, tem dois lugares. As motas levam dois no mesmo assento... As laterais de todos os cinemas têm duas cadeiras. Os convites para as festas são duplos. Os bancos de jardim até podem dar para quatro, mas para um é que eles não foram criados. E, os bons quartos de hotel têm camas de casal... ou duas camas! Está mal... Com a quantidade (alarmante e crescente) de gente sozinha que por aí anda, já alguém devia ter pensado em soluções ímpares. Deixo aqui o desafio e não me venham com a história das bicicletas, porque disso também já há para dois.
De qualquer modo, quer eu queira quer não, o São Valentim está a ganhar contornos de Pai Natal e também ele se acha no direito de invadir a mente dos publicitários e comerciantes deste nosso cantinho à beira mar plantado, e por conseguinte, tudo o que o nosso olhar alcança está salpicado de romantismo. É que depois dos azevinhos, das bolas e dos brilhos, que nos lembram a toda a hora que o Deus dos católicos nasceu, vêm os corações, os anjinhos, as rosas, atirar-nos à cara que há por aí gente apaixonada que deseja mostrar ao mundo a sua condição! Isto é demais, especialmente porque se Jesus Cristo é como o Sol e nasce para todos, o São Valentim, esse grande pinga-amor, não é para quem quer é só para quem pode.

20 comentários:

disse...

Muito bom...:)
O dia de S. Valentim só tm o impacto que tem por causa do investimento comercial que há no mesmo...para mim há dias bem mais importantes, há datas mais memoráveis, felizmente...

Sanxeri disse...

Eu estou apaixonada, tenho com quem passar o dia, e mesmo assim acho-o imensamente irritante. :P

klau* disse...

O texto esta perfeito :)
Também nao me apraz nada este dia!

Gosto muito de visitar o teu blog!

kiss*

Marisa disse...

Gostei muito do texto. É muito verdadeiro. Só não concordei quando disseste que as manifestações de amor esfriam dia 15. Não me identifico nada com isso. As mãos dadas e os beijinhos e os abracinhos duram o ano todo, e assim é que deve ser, se não é uma chatice :P

Um gajo qualquer... disse...

O Dia de S. Valentim (aka Dia dos Namorados) é um dia complicado, pois nesse mesmo dia já vivi coisas muito boas e terrivelmente más.

Matéria para um futuro post...


;)

disse...

Par ou ímpar..muito bom.

Mas não esquecer que o 1 apesar de ser um número ímpar também é um número inteiro!

O ímpar mesmo, mesmo mau é o 3 :s
Número da sorte para tantos, mas que não é nada bom sinal em termos de relações!!

:p

guardianlx disse...

O dia dos amadores...enchem os restaurantes e é ve-los a olhar cada um para seu lado...e nos outros dias nada!

P. disse...

não me lembro, nos anos em que namorei, de ter comemorado o dia de s. valentim...

milly disse...

o texto está muito bom, e também eu, após 5 anos, vou passar este dia dos namorados sozinha.... o que não é necessariamente mau! :)

O seu tio do Algarve disse...

Gostei de ler.
Também me irrita esta pressão comercial.
Par, mas também ímpar. O mercado dos singles tem crescido imenso.
Já há operadores turisticos especializados em singles.

LoisLane disse...

Olá Olá cara companheira de brindes!! Sim, vinho tinto ao almoço passou a ser um dos meus momentos nostálgicos desde que fui obrigada a deixar de fazer parte deles masss.... como a vontade de repetir é muita sempre que possa.. aí estarei. Sim sou a LoisLane ;) e não.. ainda não encontrei oSuper-Homem :(... Este é apenas o meu quarto S.Valentim alone e olha... quem está está quem não está estivese! Epá... faz como eu... tenta fingir que até à meia-noite irás ser tão grandemente surpreendida, lol, que à conta dessa esperança bonita acabarás por adormecer e puff... já é dia 15 :P hihiihihih

Beijoooo e almoço quintaaaa ;)

Cai de Costas disse...

Hoje está um Sol ímpar.
Sábado logo se vê.

Mundo dos Tesourinhos disse...

Está muito giro o texto! Parabéna à tua amiga.
Eu tenho namorado e tb n acho piadinha nenhuma, até porque não tem de haver dia nenhums específico para dizermos a alguém que o amamos e o quanto é especial para nós!

vandoxa disse...

Minha querida... este texto é a sua cara (e muito bem escrito, devo dizer). Sua lamechas!! Já me ri imenso e, como bem sabes, também faço parte do grupo ímpar.
Mas aqui fica o desafio: vamos juntar os ímpares deste mundo (os bons) e passar um sábado óptimo onde nem nos vamos lembrar que continuamos sem par. Boa?!
BJS

Mr. Z disse...

Ímpar....

Subscrevo o texto.. a tua amiga estava e continua lá :)

Bj

Lu.a disse...

Ne me fales dessa imbecilidade do dia dos namorados! Sábado nem vou sair à rua! :S

Cressélia disse...

Modernices, é o que é...

Pipoca disse...

Vandoxa, companheira de guerra! Claro que sábado os bons ímpares saem à rua...os parezinhos das florinhas e dos corações que nos aguardem... :)
Vai ser o máximo o jantarinho...

Lua, tu não fiques em casa mulher!!! Pega nos amigos e vai dançar. Sempre que vires um ímpar, sabes logo que está disponível. Eh eh eh. É noite de triagem

C. disse...

Não podia ter mais razão. Confesso que me faz confusão esse mmel excessivo que aí anda. Se há coisa que não gosto (acho piroso e enjoativo) é a montra das lojas estarem com aqueles autocolantes berrantes, e os manequins repletos de roupa vermelha e com coraçoezinhos! Pra que tanto trabalho, se no dia 15 já ninguém se lembra do dia anterior? *

kel disse...

A mim não me afectou... Acho q não me apetece fazer nada este ano, nem jantar, nem dar prendinha, nem receber prendinha... É pindérico e apenas serve p fomentar o consumismo... Estou um bocado "seca" este ano, lol!

Ah! E acho muito bem os jantares de grupo neste dia (apesar de ter o coração quentinho:))

Bom fds*