quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Não sei...

Não sei ler mensagens nas estrelas. Não sei sequer a que constelações pertecem. Não sei uma fórmula para mudar nada que belisque o mundo. Não sei nenhum truque de magia. Nem sequer sei fazer batota. Não sei ler mensagens no fundo dos olhos. Não sei ler lábios. Não sei cantar, contento-me em saber as letras, cantá-las pra dentro. Não sei dizer palavras que magoem, ficam-me cá dentro. Não sei dizer um não sem dar uma justificação. Não sei nada de marés. Nem de luas nem de astros. E há dias, sim dias, em que não sei bem o que fazer em relação às coisas que sei.

6 comentários:

Ventania disse...

Não sei se sei
Sou dos tais
A quem pouco saber cabe
Mas sei que é saber demais
A gente saber que sabe

António Aleixo, poeta popular quase analfabeto e duma sabedoria infinita.

Pode ter algumas incorrecções que trago isto de memória. Para te dizer que sabes, sim, sabes coisas muito importantes e a dúvida é a maior das sabedorias.

Beijo.

Rosa Cueca disse...

às vezes chega saber-se apenas que se sabe. :)

S* disse...

Dizer um Não devia obrigar a uma justificação... fazes bem em não saber certas coisas, dispensam-se perfeitamente.

Maçã e Canela disse...

Quem me dera..receber o amor assim*

Alex disse...

Gostei muito deste texto. Dos meus preferidos.

Pipoca dos Saltos Altos disse...

Ventania,
Sabedoria infinita, sim. Obrigada pela partilha. :)

Rosa Cueca,
Na maioria dos dias chega-me sim

S*,
True

Maça e Canela,
Desta vez não tem nada a ver com amor :)

Alex,
Agora surpreendeste-me, depois dizes-me o porquê deste ser dos teus preferidos, ok? Beijo